Dívida no Cartão de Crédito? Então Confira 7 dicas para se Livrar delas

Dívida no Cartão de Crédito? Então Confira 7 dicas para se Livrar delas

janeiro 9, 2023 Off Por Gabriel Lessa
 

O uso do cartão de crédito está cada vez mais popular entre os brasileiros que buscam segurança e até mesmo comodidade para fazer compras ou pagar contas. Mas, nesse caminho, algumas coisas podem acontecer e você acaba acumulando uma dívida de cartão de crédito.

 

Muitas vezes por não ter aprendido como lidar com o dinheiro, diversos brasileiros perdem o controle de seus gastos e acumulam dívidas no cartão de crédito.

 

Para você ter ideia, esse mau hábito fez com que o endividamento no cartão se tornasse responsável por boa parte da inadimplência do consumidor brasileiro

 

A possibilidade de parcelar compras e pagar a dívida de cartão de crédito só no mês seguinte é tentadora. O problema é quando essa praticidade vira descontrole financeiro, principalmente porque a dívida do cartão de crédito está entre as mais caras do mundo.

 

Deixar a dívida do cartão de crédito acumular é uma armadilha para a saúde financeira. Isso porque a taxa de juros do rotativo do cartão é altíssima.

 

Por isso, antes de deixar essa conta acumular e os juros dispararem, é muito importante buscar soluções para essa dívida.

 

Mas não é preciso se desesperar. Seguindo algumas orientações, você vai saber como negociar a dívida de cartão de crédito, fugir dessa estatística e abandonar o endividamento.

 

O que acontece se não pagar o cartão de crédito ? 

 

A resposta para essa pergunta é simples: você pagará juros altíssimos no caso de não pagar o cartão de crédito.

 

Hoje, quem não consegue pagar o valor total da fatura e decide empurrar a dívida para frente utiliza o chamado rotativo do cartão de crédito, que tem taxas que superam os 1.000% ao ano.

 

O problema é que, a cada mês, são cobrados juros sobre juros, gerando uma espécie de bola de neve. Para ilustrar essa situação, pense num cenário hipotético, onde você pagará 12% de juros ao mês e tem uma dívida de R$ 1.000,00.

 

Em apenas três meses a dívida saltou de R$ 1.000,00 para R$ 1.405,04. Isso quer dizer que ela aumentou mais de 40% em apenas três meses, o que dá dimensão de como a dívida do cartão pode se tornar impagável.

 

O ideal é evitar ao máximo entrar nessa bola de neve, pois um pequeno descontrole pode se tornar uma dívida muito alta.

 

Vale a pena parcelar a fatura do cartão de crédito ?

 

Quando você decide parcelar essa conta, o que muda é que o cliente não pode mais alongar indefinidamente a sua dívida e agora tem mais uma opção de financiamento. Mas isso não significa que o parcelamento é a opção mais vantajosa.

 

Olhe a sua fatura para saber qual é a taxa de juros que a administradora vai fixar no seu contrato, eles costumam variar entre 0,99% a 9,99% ao mês. Porém, poucas pessoas vão conseguir as taxas mínimas, pois a tendência é que a maioria dos consumidores fique próximo de 9,99%.

 

Veja o ranking com as taxas médias de juros para o rotativo do cartão de crédito nas principais instituições  financeiras.

Isso ocorre porque, na análise de crédito feita para emitir a proposta de parcelamento, a instituição vai avaliar o histórico do cliente. Como a pessoa passou 30 dias no rotativo e precisou pagar a conta novamente, está no grupo de risco de inadimplência.

 

Para evitar receber um calote, as empresas costumam precificar esse risco aumentando os juros cobrados.

 

O que fazer se não tenho como pagar a dívida do cartão de crédito ?

 

Deixar a fatura do cartão de crédito em aberto é uma péssima ideia, pois os juros são altos e a dívida irá aumentar exponencialmente. Caso você se encontre nessa situação, entre em contato com seu banco ou com o emissor do cartão e tente negociar a dívida.

 

Veja abaixo o passo a passo sobre como quitar uma dívida de cartão de crédito

 

1) Saiba exatamente quanto você deve

 

Ao saber que está devendo, o primeiro passo é entrar em contato com a emissora do cartão para solicitar o CET, que é o custo efetivo total da dívida. Só assim você vai ter o valor real de quanto está devendo. Essa informação é um direito seu e o agente financeiro tem a obrigação de fornecer.

 

Aproveite para verificar se tem outras contas em atraso. Faça uma soma de tudo e veja quanto precisaria para pagar tudo à vista. Isso vale principalmente para quem tem mais de um cartão, que pode ser de crédito ou de débito.

 

Em situações de desequilíbrio financeiro, é comum usar o limite disponível em um cartão para quitar outro, o que cria uma falsa sensação de que está tudo sob controle.

 

2) Faça um raio-x da sua situação financeira

 

Agora que você já sabe o tamanho da sua dívida, precisa entender sobre o seu orçamento para descobrir quanto pode separar por mês para pagar a dívida do cartão de crédito. Então, reserve um tempo para organizar as finanças com calma.

 

Escolha um método de organização financeira. Vale anotar os gastos em um caderno, uma planilha de Excel ou até um aplicativo específico para finanças pessoais. O importante é ter o controle de todos os ganhos, gastos fixos e pontuais. Caso você ainda não tenha uma, pode baixar gratuitamente uma planilha de gastos aqui e começar agora mesmo a organizar suas contas.

 

Nesse processo, também é importante fazer uma autoavaliação para entender o que causou o seu descontrole financeiro.  Faça o pente-fino da fatura e veja exatamente quando o descuido ou descontrole aconteceu. Entender a origem da dívida é importante para evitar que o mesmo problema ocorra de novo no futuro

 

3) Faça o primeiro contato com a central do cartão de crédito

 

Depois de conhecer os juros da dívida de cartão de crédito e saber quanto pode pagar por mês para quitá-la, o consumidor tem mais segurança para negociar os débitos e pode conversar com a operadora para conhecer as condições que ela oferece.

 

Nesse momento, o ideal é deixar a ansiedade de lado e ser bem realista: muitas vezes, o consumidor tem pressa para pagar suas contas e acaba aceitando condições que não se enquadram em sua realidade financeira. Fique atento para evitar parcelamentos que comprometem o orçamento.

 

4) Avalie a proposta com cautela

 

Quitar uma dívida cara, como a do cartão de crédito, é uma tarefa para ser cumprida o mais breve possível.

 

No entanto, isso deve ser feito por meio de uma proposta que também seja boa para o consumidor. Se o valor combinado na negociação não couber no orçamento, ele pode se complicar de novo e não conseguir sair do mau endividamento.

 

Então, pense com calma. Não coube no seu bolso? Ligue novamente para a operadora e renegocie a dívida do cartão.

 

5) Corte gastos

 

Lembre-se: se a conta não fecha no fim do mês ao ponto de você não conseguir pagar a fatura do cartão de crédito, é sinal de que está gastando mais do que ganha.  A solução é cortar gastos desnecessários e reduzir, ou pelo menos reavaliar, o que não pode ser eliminado.

 

Estabeleça um limite para alguns gastos como compras de supermercado e lazer. Isso vai ajudar a manter o controle das finanças. Não deixe de se divertir, mas pesquise formas mais baratas e que pesem menos no bolso.

 

6) Evite novas compras parceladas

 

Outro ponto importante é evitar novas compras parceladas, principalmente durante esse período de controle das finanças. Parcelar é uma facilidade, pois permite a aquisição de bens que, se fossem comprados à vista, consumiriam boa parte do orçamento mensal. No entanto, parcelas a perder de vista podem levar ao descontrole financeiro.

 

Antes de tudo, verifique se você realmente precisa daquilo que está comprando ou se essa compra pode ser adiada. Caso seja realmente importante para o momento, parcele apenas itens de maior valor que você não conseguiu desconto pagando à vista. As outras compras menores, pague à vista ou em parcelas mais curtas.

 

7) Troque a dívida cara por uma mais barata

 

Se a proposta de negociação da operadora do cartão de crédito não for vantajosa, faça novas negociações ou procure alternativas mais baratas, caso perceba que o acordo será muito complexo. Assim, no lugar da parcela com juros abusivos, é possível pagar parcelas saudáveis, que caibam no seu orçamento.

 

É sempre válido comparar outras modalidades de crédito antes de fechar o acordo. No mercado, existem opções de crédito com taxas de juros reduzidas, como o empréstimo consignado e o empréstimo com garantia, que são excelentes alternativas para trocar uma dívida cara por uma mais barata.

 

Com ou sem juros elevados, o cartão de crédito é um recurso que precisa ser controlado. Por isso, é tão importante saber como quitar as dívidas. Com as estratégias, aos poucos, você vai pagar tudo o que deve, começar a economizar e evitar gastar mais do que ganha.

 

Conte com um cartão de crédito sem anuidade e com juros acessíveis para uma vida financeira tranquila.